<%@LANGUAGE="JAVASCRIPT" CODEPAGE="1252"%> AOMS
Mapa do Site:
Colaboradores
 
 

Botânica

Abacateiro-do-mato; Aroeira-salsa; Camboatã; Cambucazeiro; Canela-amarela; Cambará; Capoteira; Coqueiro-da-bahia; Faveiro; Figueira-vermelha; Fruta-do-conde; Fruta-do-sabiá; Girassol; Goiabeira; Graviola; Gravatá-comum (Bromelia pinguin); Guarantã; Guanandi; Guatambu; Guapuruvu; Hera; Hibiscos; Imbuia; Ingá; Ipê-roxo;Ipê-branco-do-cerrado; Jaborandi; Jacarandá-de-minas; Jacarandá; Leiteiro; Lobeira; Mangostanzeiro; Marolo; Marôlo; Murta; Palmeira-indaiá; Pau-pombo; Peito-de-pombo; Peroba-poca; Pêssego-do-mato; Pindaíva; Tanheiro; Tarumã-comum; Uvaia

Ipê

Existem inúmeras espécies da família Bignoniáceas pelo mundo, onde do gênero Tabebuia há 246 espécies! Apesar de nem todas elas serem ipês verdadeiros. No Brasil existem 15 espécies, porem onde a maioria das pessoas conhecem apenas alguns. Somente do amarelo há 8 espécies! Os ipês estão na categoria de árvores floríferas, gerando flores uma vez por ano, variando com a estação e na espécie. São árvores hermafroditas. Como exemplo os de flores amarelas florescem ainda no inverno e os roxos no final do outono e ambos no caso na região sudeste. Árvores do cerrado, não precisam de tanta água, só mesmo no início. Pássaros como os colibris e insetos como as abelhas, são importantes polinizadores, destacando o vespão mamangava. Antes se desfolham no inverno onde são decíduas. Apreciam sol pleno e solo não precisa ser tão fértil. O fruto é simplesmente uma vagem septicida. Suas sementes são do tipo aéreas, como asas hialinas, leves e se deixam levar pelo vento. Germinadas, em 9 meses atingem 30 cm. Todos os ipês possuem cascas rugosas e só existe uma espécie contrária que é o ipê-amarelo-de-casca-lisa, isso no Brasil. Dos ipês-amarelos nacionais, a espécie ipê-amarelo-da-mata é o terceiro em tamanho, chegando a um máximo de 20 m e tronco com até 80 cm de diâmetro. É o mais utilizado no paisagismo urbano onde então sua floração, como os demais de sua família dura por volta de duas semanas. Das espécies de ipês brasileiros, talvez o que chama mais a atenção seje o ipê-preto que apesar do nome, tem flores de tom marrom escuro. E o chamado ipê-rosa, é na realidade uma subespécie do ipê-rosa-verdadeiro, sendo este exótico. A subespécie brasileiro tem nas flores um misto de rosa e branco. Dos ipês-amarelos, o maior é o ipê-amarelo-açu que chega a atingir 30 m de altura e o menor sendo o ipê-amarelo-do-cerrado com um máximo de apenas 5 m. Os ipês desempenham importante papel na natureza, com suas flores melíferas suprindo as necessidades de insetos, aves e até mesmo primatas e ungulados. Como exemplo, o ipê-amarelo-do-brejo é árvore indicada para reflorestar bordas de rios. Os ipês tem suas pragas, onde os piores não são as saúvas, mas duas espécies de coleópteros (besouros). O mais vulnerável sendo o ipê-branco e o mais isento de pragas talvez sendo o ipê-amarelo-do-cerrado. Sua madeira é considerada boa e não tão pesada pelo tanto que o gênero da maioria das espécies significa "tábua que bóia". Apesar dos ipês serem as árvores mais usadas no paisagismo no Brasil, ainda assim as espécies menos conhecidas estão ameaçadas de extinção, principalmente pela derrubada das matas para dar lugar è pecuária e lavoura. É apropriada no paisagismo por ter raiz pivotante (para baixo) o que evita quebrar calçadas. A flor do ipê-amarelo foi eleita a flor símbolo do Brasil. Os ipês também são conhecidos por pau-d'arco.
Ipê é também nome de uma cidade do RS e Ipê-amarelo de MG.

As espécies de ipês no Brasil são de nomes bem variados para uma mesma espécie, que chegam a gerar confusões. Os nomes escritos abaixo são os mais usados de cada espécie:
ipê-amarelo-açu (Tabebuia alba)=(Handroanthus alba)=(Tecoma alba) : MG, RJ até RS.
ipê-amarelo-de-casca-lisa (Tabebuia vellosoi) : GO, MS, BA, ES, RJ, MG e SP.
ipê-amarelo-da-mata (Tabebuia serratifolia=araliacea) : Região norte, CE, BA, ES até SP.
ipê-amarelo-do-brejo (Tabebuia umbellata) : MG, RJ até RS.
ipê-amarelo-escuro (Tabebuia ochracea) : PA, GO, MT, MS, BA, ES, SP e PR.
ipê-amarelo-cascudo (Tabebuia chrysotricha)=(Tecoma chrysotricha)=(Handroantus chrysotrichus) : ES até SC.
ipê-amarelo-do-cerrado ou craibeira (Tabebuia caraiba=aurea) : Região norte e nordeste até MS e SP.
ipê-amarelo-cinco-folhas (Sparattosperma leucanthum) : BA, GO, MS, ES, MG, SP e RJ.
ipê-roxo-açu, ipê-roxo-da-mata ou ipê-piúna (Tabebuia avellanedae=ipe) : MA até RS.
ipê-roxo-de-bola ou ipê-buquê (Tabebuia impetiginosa) : GO, CE, PI, MA, RN, PB, SE até o sul.
ipê-roxo-mirim ou ipê-roxo-sete-folhas (Tabebuia heptaphylla) : BA, ES, MG, SP, RJ, PR, SC e RS.
ipê-rosa-branco (Tabebuia roseo alba) : GO, MS, MG e SP.
ipê-branco (Tabebuia dura) : MS, MG e SP.
ipê-preto, ipê-felpudo ou ipê-tabaco (Zeyheria tuberculosa) : BA, ES, MG, SP e PR.
ipê-verde (Cybistax antisyphilitica) : RR, RO, AC, AM, PA, MT, TO, GO, MG, SP, ES, RJ, PR, SC e RS.
Do mesmo gênero dos ipês é a caixeta (Tabebuia caainoides) que por vezes é chamado também de ipê-caixeta, mas não é citado como ipê florífero como os demais.

Parceiros

Ensino Superior na Fatec Internacional.
Promoção Imperdivel

 
Blog's
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Direitos reservados a AOMS.©